Chopin

/ 58 leituras
O teu nome parece desabrochar Nesta melodia, Abrir-se numa ave - Os dedos sobre o piano, Imponderáveis e seguros. Por Nuno Rocha Morais in Galeria, Edições Simplesmente, abril 2016, p...

Camélias

/ 218 leituras
O perfume delas É, talvez, a cor... Pedro Homem de Mello in Pedro, Cabanas 1975, página 89.

C

/ 232 leituras
Os que nascem de cu virado para a lua diziam que o C mentia porque, em lugar de crescer, minguava. Então o C fez um pacto com o S e passou a mentir antes dos E e dos I. Mentir por mentir, ma...

Chuva

/ 363 leituras
1. Pranto copioso (às vezes a tristeza parece infinda). Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 57. 2. A bem dize...

Chão

/ 217 leituras
O que sei da palavra chão é a altura da raiz da árvore. Por João Manuel Ribeiro in Palavras-chave, Trinta Por Uma linha, março de 2017, Porto.

Cão labrador

/ 307 leituras
Cão que se dedica à lavoura. Por Paulo Moreira Lopes in Cão Noturno perseguido por Glossário Canino, com ilustração de Rui Sousa, Euedito, página 18.

Cão de guarda

/ 341 leituras
Cão de soldado da GNR. Por Paulo Moreira Lopes in Cão Noturno perseguido por Glossário Canino, com ilustração de Rui Sousa, Euedito, página 16.

Cão de água

/ 463 leituras
1. Raça em extinção, mostra o seu contentamento sacudindo o pêlo. Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas in Breviário da água, Editorial Caminho, 2004, página 56. 2. C...

Cão noturno

/ 449 leituras
Cão que só aparece à noite. in Cão Noturno perseguido por Glossário Canino, escreveu Paulo Moreira Lopes, ilustrou Rui Sousa, Euedito, página 18.

Céu

/ 372 leituras
1. sempre acreditei que o Céu também tem o seu diabo. Por Antero de Alda, in a reserva de Mallarmé, Galápagos Fábrica de Poesia, 2013, página 18. 2. Haverá em certos dias outro ...

Cabra

/ 264 leituras
1. Nos teus olhos nasce o sol, cabrinha mansa.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 13. &nbs...

Cágado

/ 282 leituras
Animal rigoroso com a língua, quando escreve o nome nunca esquece o acento.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembr...

Camaleão

/ 272 leituras
Vaidoso, muda de roupa vezes sem conta num só dia!   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 14.

Camelo

/ 282 leituras
1. Dunas ambulantes com muita água dentro.   Este animal é uma miragem.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, ...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Rio (1957)

Ich weiss nicht, was sie sagen" ("Não sei do que falam").

Rota das Pirâmides

O EXÓTICO é um desejo; uma máquina de sedução; um domínio geo-semântico que designa um território imenso e quente, desconfinado, longínquo e incerto onde existem coisas estereotipadas, espécie de adereços e ambiências como o cheiro das especiarias, as trovoadas tropicais, as araras, as odaliscas, as palmeiras, os batuques, os camelos, e as pirâmides, por exemplo. O exotismo alimenta-se da nostalgia, do espaço e do tempo, como memória de uma idade de ouro em paragens remotas e tempos perdidos. Depois de Napoleão ter regressado a França após a Batalha das Pirâmides e se terem difundido as his...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 611 leituras
O telemóvel é um meio de incomunicação?