Cravo

/ 1155 leituras
Em que cor pensas quando digo cravo? Texto de Francis...

Contrabandista

/ 597 leituras
Não é contrabandista quem quer: é preciso inteligência e ast...

Chafariz

/ 568 leituras
Nome do cargo de aguadeiro na Idade Média. Por João Pedro...

Colibri

/ 563 leituras
Peixinho do ar. Por João Pedro Mésseder e Francisco Duart...

Caminha

/ 544 leituras
A vila de ruas lajeadas e a igreja de pedra roída pelo ar sa...

Caxinas

/ 550 leituras
até que em mim se cale a luz do coração imenso das Caxina...

Cabedelo

/ 600 leituras
Estes vastos areais, revestidos às vezes de cabelos de oiro ...

Cavalo

/ 621 leituras
1. No fogo fértil da Primavera, o cavalo cede a identidade...

Crepúsculo

/ 701 leituras
2. Já ninguém percorre este caminho a não ser dois petrole...

Cerejeira

/ 171 leituras
Acordar, ser manhã de abril a brancura desta cerejeira; ar...

Conselho

/ 299 leituras
Sê paciente; espera que a palavra amadureça e se desprenda...

Cordas

/ 198 leituras
Cordas de casa a casa - a modos de pautas musicais. Luís ...

Candeia

/ 698 leituras
2. Chama de candeia: luz finita, como ser vivo, nem rouba n...

Caneta(s)

/ 547 leituras
guardam as palavras em estado líquido. Por Francisco Duar...

Culpa

/ 550 leituras
1. finíssima teia a estrangular a alegria, minúsculo insect...