Buril

/ 119 leituras
caminha por veredas antigas, limpas pelo melhor buril que é o uso Por Francisco Duarte Mangas in Homens de talabarte, conto inserto na obra Pavese no café Ceuta, edição Teodolito, feverei...

Braço(s)

/ 384 leituras
2. o povo ergueu os braços como árvores de alegria Por Francisco Duarte Mangas in Azul como uma laranja, conto inserto na obra Pavese no café Ceuta, edição Teodolito, fevereiro de 2019, ...

Burel

/ 113 leituras
2. agasalha frio antigo Por Francisco Duarte Mangas in As meninas, conto inserto na obra Pavese no café Ceuta, edição Teodolito, fevereiro de 2019, página 14 1. Suave vocábulo de tec...

B

/ 460 leituras
O B julgava que tinha duas barrigas e morria de desgosto. Até que o médico lhe disse que eram dois pulmões e que escusava de abafar debaixo da roupa para se esconder. Por Regina Guimarães...

Bacalhau

/ 417 leituras
Nunca percebi por que razão há cento e uma maneiras de trair o fiel amigo.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro...

Baleia

/ 354 leituras
Quando te vejo qualquer oceano me parece diminuto.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página 10.

Boi

/ 380 leituras
Pelos olhos de melancolia redonda rumina o verde silêncio da Primavera.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro...

Beijo

/ 393 leituras
Entre o céu azul e o céu da tua boca   vai a distância de um beijo.   Por César Augusto Romão, in Tanto ar, Propagare, 2009, página 18.    

Beber

/ 418 leituras
Beber muito cansa a alma. Deforma o corpo.   Por Francisco Duarte Mangas, in A casa dos caçadores, hidra editores, 2007, página 14.

Baptismo

/ 351 leituras
Primeiro banho de água fria.   Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 56.

Baptizar o vinho

/ 363 leituras
Afogar em água a alegria do vinho.   Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 56.

Barragem

/ 365 leituras
Campo de concentração de rios e regatos.   Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 56.

Bolacha de água e sal

/ 374 leituras
Bolacha sem sombra de pecado, inventada pelos franciscanos.   Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 56.

Dar com os burrinhos na água

/ 387 leituras
Ser obrigado a lavar os pobres animais bem lavados.   Por João Pedro Mésseder e Francisco Duarte Mangas, in Breviário da Água, Editorial Caminho, 2004, página 58.

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Rio (1957)

As pessoas que durante um ano e tal andaram a procurar destruir o partido, a destruir a minha liderança, a destruir a direção nacional, fizeram tudo o que estava ao seu alcance para isso, e chegar à última da hora [para] aparecer e dizer que dão um grande apoio é uma situação hipócrita.

Rota das Pirâmides

O EXÓTICO é um desejo; uma máquina de sedução; um domínio geo-semântico que designa um território imenso e quente, desconfinado, longínquo e incerto onde existem coisas estereotipadas, espécie de adereços e ambiências como o cheiro das especiarias, as trovoadas tropicais, as araras, as odaliscas, as palmeiras, os batuques, os camelos, e as pirâmides, por exemplo. O exotismo alimenta-se da nostalgia, do espaço e do tempo, como memória de uma idade de ouro em paragens remotas e tempos perdidos. Depois de Napoleão ter regressado a França após a Batalha das Pirâmides e se terem difundido as his...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 504 leituras
Quem cobre todas as propostas evita resfriados?