Um círculo perfeito

/ 1072 leituras
ALGUNS aproximaram-se demasiado da lucidez. Quando o pensamento ganhou uma estranha autonomia e começou a levar tudo à sua frente, perderam-se. Agora já pouco sabem, ou pretendem saber, a re...

Submundo

/ 1605 leituras
QUANDO me aborreço da cidade superficial, corro para a estação de metro mais próxima. Gosto de sentir na pele o que Jean Valjean, o miserável herói de Victor Hugo, sentiu quando desceu aos e...

Imagens do Inverno

/ 1116 leituras
CHEGOU o Inverno, ou melhor, chegaram as imagens do Inverno, a superfície gelada de um lago, uma montanha, ao fundo, ostentando uma espécie de candura avassaladora, o vidro de uma janela fus...

Cidade felina

/ 1029 leituras
VOLTEI a Eugénio, recentemente. Não sei porquê. Ou melhor, até sei. Gosto de gatos, e os poemas do Eugénio – até pela forma como ele os dizia – lembram-me esses animais voluptuosos por fora ...

Variações sobre Novembro

/ 841 leituras
A EXUBERANTE prosa de Onetti entra por este mês dentro sem qualquer pudor ou atrito, os santos prepararam um sonífero para as nuvens que já embaraçam o céu, o frio não chega a ser feroz, mas...

O amor e um edifício

/ 1260 leituras
ESTOU a amar um edifício. É o edifício com mais requinte e carácter que a cidade tem. Fica na Rua dos Bragas, uma rua demasiado severa e estreita. Além disso, aquela é uma rua triste, tão tr...

Uma obscura lucidez no rosto

/ 1433 leituras
À MEDIDA que o Verão se apaga, o Porto recupera uma obscura lucidez no rosto. De resto, já não tenho grandes expectativas em relação à rentrée. Sou um leitor caprichoso, intransigente, e per...

O Verão dos poetas

/ 1259 leituras
JULHO. Os dias são velozes e esplêndidos. O sol está mais próximo da Terra. Há uma espécie de opulência em tudo o que vejo, toco e sinto. Pergunto-me: por que é que Platão expulsou os poetas...

Das pessoas que nos fazem gente

/ 1150 leituras
Para o Manuel António Pina CONHECI o poeta em 2003. Estava a terminar a minha licenciatura e ele foi uma das fontes a que recorri para humanizar o território (na altura, como agora, tão ali...

Dramas de companhia de André Domingues

/ 983 leituras
AS trágicas encenações da existência. Um homem que vive prisioneiro dentro da consciência de outro. A angústia e a sua inata falta de fotogenia. Santas meramente performativas. Reis sem real...

Uma desculpa para escrever

/ 876 leituras
CHARLES Baudelaire escreveu “Spleen de Paris”, Francisco Umbral escreveu “Spleen de Madrid” e eu gostaria imenso de descrever o spleen do Porto, essa melancolia intangível que assola a cidad...

Idílio

/ 932 leituras
NO meu sonho, o Palácio de Cristal e os seus minuciosos jardins configuravam uma nação prodigiosa, por onde deambulavam príncipes encantados e mulheres próximas do imaginário divino, que pas...

Setembro

/ 1535 leituras
SETEMBRO é o mês mais cruel. O Outono promete apagar tudo o que o Verão acendeu. Não conheço dialéctica ou didáctica mais triste. Lembro o belíssimo verso de Carl Sandburg, a propósito do se...

Aprender a ser árvore

/ 809 leituras
TAMBÉM eu admiro a imobilidade perfeita, a frondosa imobilidade das árvores que recai sobre a irregularidade do mundo, num silêncio tenaz e geométrico, como uma espada secreta e propagada. T...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Moreira (1956)

Há um projecto de lei que diz querer introduzir alterações cirúrgicas à lei orgânica de 14 de Agosto. Sabe o que é a cirurgia? É impedir que o nosso movimento se candidate como se candidatou nas últimas eleições. Diga ao dr. Rui Rio que ganharemos as eleições ao PSD com o nome linha azul e verde.

Rua da Estrada da Surpresa

Agora que esta vidraria aqui se instalou ainda nova e por estrear, é que a vivenda é mesmo surpresa.

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 390 leituras
Onde foi o pintainho buscar o engenho de picar o ovo?