Sete perguntas a Ana Ramos

/ 1905 leituras
ANA Ramos é o que se pode designar por maiata de gema: nasceu e vive na Maia. Além de ser filha, irmã, amiga, psicóloga, é ainda escritora. O ponto de partida do seu trabalho literário é a o...

Sete perguntas a Catarina Vieira

/ 255 leituras
CATARINA Vieira nasceu em Alpendorada, Marco de Canaveses e vive por estes dias na Senhora da Hora, em Matosinhos. Enquanto ilustradora diz que o mundo que cria se alimenta com todas as memó...

Sete perguntas a Manuel Araújo da Cunha

/ 2084 leituras
NADO e criado na margem direita do Douro, o Manuel, naturalmente, deixou-se banhar pela linguagem desta corrente de magia. Quase sempre, o rio espraia-se bondoso entre as margens, mas quando...

Sete perguntas a Carla Anjos

/ 1705 leituras
TEM as raízes em Silvares, mas cedo estendeu os ramos a Penafiel e a Matosinhos. Foi na penúltima que fez o ninho de onde agora se lança a planar sob os céus das artes plásticas. Como uma av...

Sete perguntas a Anabela Borges

/ 1868 leituras
ANABELA Borges, por mais que queira, não consegue evitar as influências do local onde tem vivido desde que nasceu. Os motivos, para sermos sinceros, são muitos e variados. Vão desde a paisag...

Sete perguntas a Filipe Lopes

/ 1078 leituras
NASCIDO em Massarelos e atualmente a viver em Cedofeita, o Filipe, além de ver e sentir o Porto como todos nós, ele ouve-o de um modo muito especial. Por deformação profissional passou a ler...

Sete perguntas a Arsénio Mota

/ 617 leituras
ARSÉNIO Mota parece que foi sempre de cá, mas não. Vive no Porto há mais de cinquenta anos, tendo nascido e vivido na freguesia de Bustos, concelho de Oliveira do Bairro, contíguo a Aveiro. ...

Sete perguntas a Inês Lourenço

/ 978 leituras
INÊS Lourenço é natural de Santo Ildefonso, onde hoje reside. Como se sabe, este é um lugar atravessado pelo Paraíso. Quem sabe se por causa dessa virtude seja muito frequente cruzarmo-nos c...

Sete perguntas a Nuno Valentim

/ 1042 leituras
O NUNO Valentim tem um percurso académico e profissional centrado no Porto, com um pequeno desvio por Veneza. Não lhe é possível dissociar a sua vida desta cidade. Por isso, a sua obra situa...

Sete perguntas a Madalena Santos

/ 1163 leituras
MADALENA goza da particularidade (será privilégio?) de ter nascido e continuar a viver no limiar da vida rural impregnada de influências citadinas. Esse lugar situa-se na freguesia de Noguei...

Sete perguntas a Regina Pessoa

/ 619 leituras
REGINA não é uma pessoa qualquer. Desde criança que está convencida que é um pássaro e que vive num corpo errado. E assim continua até aos dias de hoje. Quando era menina, tinha tanta vontad...

Sete perguntas a Rui Azevedo Ribeiro

/ 1169 leituras
PRIMEIRO tivemos a geração dos Maneis e das Marias, depois a dos Paulos e antes que chegasse a das Inêses e dos Joões, surgiram os filhos da Ruindade. Eles são Ruis que nunca mais acabam e c...

Sete perguntas a Fedra Santos

/ 2084 leituras
A PRINCÍPIO ainda se pensou tratar-se de um pseudónimo. Mas não. Foi uma partida que a mãe, por gostar da mitologia grega e de nomes pequenos, pregou a esta freamundense. Chamar-se-ia e dar-...

Sete perguntas a João Pedro Mésseder

/ 2680 leituras
PARECE que o estamos a ver: num longo e esguio corredor, emparedado por estreitas janelas, caminha um rapaz, aí dos seus treze anos, trajando um casaco castanho de bombazine e levando na mão...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Rui Rio (1957)

As pessoas que durante um ano e tal andaram a procurar destruir o partido, a destruir a minha liderança, a destruir a direção nacional, fizeram tudo o que estava ao seu alcance para isso, e chegar à última da hora [para] aparecer e dizer que dão um grande apoio é uma situação hipócrita.

Rota das Pirâmides

O EXÓTICO é um desejo; uma máquina de sedução; um domínio geo-semântico que designa um território imenso e quente, desconfinado, longínquo e incerto onde existem coisas estereotipadas, espécie de adereços e ambiências como o cheiro das especiarias, as trovoadas tropicais, as araras, as odaliscas, as palmeiras, os batuques, os camelos, e as pirâmides, por exemplo. O exotismo alimenta-se da nostalgia, do espaço e do tempo, como memória de uma idade de ouro em paragens remotas e tempos perdidos. Depois de Napoleão ter regressado a França após a Batalha das Pirâmides e se terem difundido as his...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 849 leituras
Quem cobre todas as propostas evita resfriados?