Início » Arquivos

Artigos com a tag: Regina Guimarães

O
[19 Ago 2017 | Comentar | ]
O

O O espantava-se com tudo ou, pelo menos, fazia como se… Perante a rotunda doçura do seu constante pasmar, era difícil decidir se ele mostrava pura estupefacção ou se exagerava para dar graxa, causar agrado, engatar e… fazer jus à sua circular reputação. O que é certo é que o terno pasmadinho era tido em alta conta pela alta roda. Versejava a seco apoiado pelo H. Carpia distintas mágoas encostado ao D. Dava longos passeios com o S se acaso a solidão lhe pesava; por vezes, ambos se juntavam ao …

N
[13 Ago 2017 | Comentar | ]
N

O N era a letra de embalar por excelência. Naturalmente modesto e até um pouco néscio, ambicionava arredondar-se para ocupar menos lugar. E também para instilar sonambulismo no mundo à sua volta, evitando assim ter de encarar com ângulos agudos e casos bicudos. Como os seus desejos não viravam realidade, o N foi-se tornando primeiro simples noctívago, a seguir boémio impenitente. Começou a negligenciar os seus trabalhos de embalo e baby-sitting, e muitas vezes era trazido ao colo para casa porque bebia até cair. O álcool não fazia dele uma …

M
[6 Ago 2017 | Comentar | ]
M

O M era pródigo naquelas falinhas mansas atrás das quais se escondem gumes. Os cimos não lhe metiam medo pois tinha uma secreta admiração pelas alturas, pelas grandes vistas e pelas pessoas bem colocadas. Mal lhe davam um pouco de atenção, todo ele se eriçava de excitação, miava como uma madama desalmada e subia aos píncaros da palração felina. Sabendo-se pouco merecedor, o M defendia-se do duro atrito da realidade através de uma mitomania, a priori inofensiva, mas muito maçadora para os demais. Sabendo-se péssimo prosador e pior poeta desenvolvera um …

L
[29 Jul 2017 | Comentar | ]
L

O L assentava em si mesmo como uma luva. Tinha assento em todas as reuniões de letra grande e, se minusculava, logo estreitava laços com quem o precedia ou seguia. Campeão da flexibilidade, o L prestava-se a lutas de salão, a lutos oficiais e a todos os lugares comuns preconizados pela Ordem alPhabética. Amiúde acusado de ser um descarado lambe botas, não passava de um caso de talento social inato. Líquido e lírico, logo ainda mais serpentino do que o S, o L era exímio em deslizar, esgueirar-se, esquivar-se, devanear. …

K
[22 Jul 2017 | Comentar | ]
K

O K era uma letra inkietante. Antes de mais porke não existia no alPHabeto da língua em que falo, a não ser nas palavras estrangeiras komo kart e kayak. Tinha um medo ke se pelava do O kuando quando este lhe falava kurto e grosso. Se sentia a redonda vogal por perto metia-se debaixo de uma kapa negra e passava à klandestinidade. Tirando a sua natural kompetência para o kaganço, não era má peça. Trabalhava em part-time num gabinete de fonétika, partilhava kasa kom o W e o Y e …

J
[15 Jul 2017 | Comentar | ]
J

O jota era ocioso, alegre, jocoso até. Não gostava de trabalhar e descarregava uma parte substancial das suas tarefas no G, mas saía sempre bem no retrato de família. Ao contrário do I, o jota tinha a sua pinta em alta estima. Chamava-lhe brasão e discorria sobre a sua linhagem. Só queria escrever-se em minúsculas porque (explicava ele, a meio poste, como se acabasse de sair da cama ou se preparasse para deitar) letras grandes são uma cena burguesa e burgessa. O jota tinha teorias sobre tudo, achava-se eternamente jovem …

I
[9 Jul 2017 | Comentar | ]
I

O I gastava fortunas em cosméticos para disfarçar a sua pinta que era um sinal de nascença. Mal podia, tornava-se maiúscula e mentia com quantos dentes tinha como só os crescidos conseguem. No fundo, o I era um ingénuo: não imaginava que aquela marca de fabrico lhe dava uma distinção inimitável, um toque de originalidade na sua elegância natural. Aliás, todas as vogais lhe cobiçavam a linha e a pequena lua cheia. Vitima dos seus complexos, quando se ouvia intensamente em palavras ou frases, julgava reconhecer um «ih! ih!» ou …

H
[2 Jul 2017 | Comentar | ]
H

O H ficava bem à cabeça de qualquer palavra embora não se pronunciasse, pelo que era muito requisitado, quando não assediado. Tinha de inventar desculpas esfarrapadas e etimológicas para não aceder a tantos convites. Fazia-se de muito humanamente tímido, quando, de facto, era um misantropo. Como, ainda por cima, corria o rumor de que o silêncio é de ouro, o H ganhou fama de letra cara e rara. Todavia, o N, o L, e C nunca perdiam uma ocasião lhe chegar a roupa ao pêlo para o tipo não se …

Regina Guimarães: “O Porto está deploravelmente disneylandizado”
[29 Jun 2017 | Comentar | ]
Regina Guimarães: “O Porto está deploravelmente disneylandizado”

“DESOBEDECER às indústrias culturais” é o nome do livro que a escritora e videasta Regina Guimarães apresenta amanhã, quinta-feira, às 18.30 horas, no Teatro da Cerca de São Bernardo, em Coimbra.
A obra aborda a realidade do Porto e dá exemplos de coletivos que por lá vão trilhando caminhos alternativos, com liberdade de criação e rejeição da mercantilização da arte.
São mais de 20 os coletivos portuenses apontados como escapando à lógica dominante. Entre eles estão a livraria-cafetaria Gato Vadio, que põe a tónica na independência, a associação cultural A Cadeira de …

Regina Guimarães (1957)
[12 Jun 2017 | Comentar | ]
Regina Guimarães (1957)

posso comer palavras / saltar sinais de pontuação / picar-me no desalinho / dos acentos / mas isso não mata a fome / de quem me manda calar

G
[10 Jun 2017 | Comentar | ]
G

O G sofria de gaguez crónica. Por isso era muito metido consigo. Também padecia de uma grande paixão secreta pelo C e em tudo tentava imitá-lo. Infelizmente o seu amado já tinha com que se coser e não o queria como companheiro. O pobre G esforçava-se por soar cortante e claro, por parecer capaz e categórico, mas o tal defeito gritante dava-lhe um ar de gafe sem graça. Só mesmo o U, seu confidente, sabia uivar o o grande enguiço do amigo.
Por Regina Guimarães in Abecedário Abetardário

F
[27 Mai 2017 | Comentar | ]
F

O F sentia-se leve como um ramo, capaz de baloiçar ao vento e pronto a arrancar a raiz única que o prendia à linha da terra. Apesar da sua aparência frágil era uma verdadeira fera quando desatava a bufar para afastar os indesejáveis, em particular o P e o H que outrora se haviam coligado contra ele e nunca tinham perdoado ao dono do alPHabeto terem sido substituídos por letra tão pouco clássica.
Por Regina Guimarães in Abecedário Abetardário

E
[21 Mai 2017 | Comentar | ]
E

O E tinha a certeza de ser. Pelo menos dizia que sim. Porém, estranhamente, estava sempre de garras de fora como se fora fora a defender sabe-se lá que posse de si. Invejava a alegria do A e não parava de comentar que os seus dois andares eram mais espaçosos. Mas quem é que alguma vez via uma casa naquele tridente empinado.
Por Regina Guimarães in Abecedário Abetardário

Trespassar
[18 Mai 2017 | Comentar | ]
Trespassar

Publicado por A SEDE