715
0
COMPARTILHAR
Rui Costa (19...

Rui Costa (1972-2012)

Rui Costa (1972-2012)

0
715

e foi assim que tudo se tornou demasiado,
os teus ouvidos seguiam a respiração dos que
ainda mexem na memória, a margem fora 

§

A Música

A música partilha com a flor
a carne que se alaga como um copo. 

§

Senhora de Londres escolhendo Limões

Não, nem todo o limão é amarelo quando
A mão de alguém o toca e humaniza, pequeno deus 

§

HUMANA PERDIÇÃO A FROUXA LUZ

e foi assim que tudo se tornou demasiado,
os teus ouvidos seguiam a respiração dos que
ainda mexem na memória, a margem fora  

§

Poema inútil com montanha

Vejo a montanha à minha frente pousada
Sobre a água sempre verde, e penso na inutilidade
De tudo o que ela é, e na inutilidade de estar pensando nisto,  

§

O pão

Há pessoas que amam
Com os dedos todos sobre a mesa.  

§

Autobiografia

Não preciso mas tu sabes como eu sou
Encaminho-me pouco divirto-me assim nas copas
Das árvores soprando pensamentos para o mundo que há de noite.  

§

Rui Costa nasceu no Porto em 1972. Estudou Direito em Coimbra e foi advogado durante seis anos, em Lisboa e Londres. Concluiu um mestrado em Saúde Pública em Leeds, Inglaterra. Actualmente é professor na Escola Superior de Saúde do Vale do Ave.
Em 2005 publicou A Nuvem Prateada das Pessoas Graves (Quasi Edições), livro vencedor do Prémio de Poesia Daniel Faria.
Em 2007 recebeu, pelo romance A Resistência dos Materiais, o Prémio Albufeira de Literatura.
Co-organizou a Primeira Antologia de Micro-ficção Portuguesa (Exodus, 2008).
Participou em diversas publicações, nomeadamente: Poema Poema -Antologia de Poesia Portuguesa Actual (U.Stabile, Huelva, 2006); A Sophia – Homenagem a Sophia de Mello Breyner Andresen (Caminho, 2007); Um Poema para Fiama (Labirinto, 2007); Sulscrito – Revista de Literatura; Revista Big Ode.
Publicou em 2009 O Pequeno-almoço de Carla Bruni, 2009.
Faleceu em 2012.