2.023 Leituras
0
COMPARTILHAR
João Saraiva ...

João Saraiva (1866-1948)

O pai, aterrado ao estudo.
Teve grande nomeada.
Foi sábio — sabia tudo…
E o filho que sabe? — nada. 

§

O Sol espalha umas arestas quentes
D’oiro de lei; e na floresta verde 

§

Árvore, — amiga constante,
Desde o berço à sepultura! 

§

Bem dita sejas tu, que me fizeste crer!
A minha flor da crença eu sentia-a morrer 

§

João Baptista Pinto Saraiva nasceu no Porto em 1866. Exerceu o cargo de Governador Civil de Vila Real e do Porto (1907-1908). Deputado nos anos que precederam a Primeira República. Frequentou a Escola Médico-Cirúrgica, que abandonou por doença, o mesmo tendo feito pouco tempo depois de se haver matriculado no Curso Superior de Letras. Foi figura de relevo na poesia portuguesa contemporânea, quer pelo seu lirismo, quer pelo seu espírito satírico, cedo revelando a sua vocação. Em prosa publicou apenas uma evocação do Grémio Literário, de que foi um dos primeiros sócios. Para o teatro, escreveu um pequeno acto em verso intitulado Máscaras, representado no Ginásio, em 1900, e, em colaboração com António Carneiro a revista País de Turismo que, no S. Luís, (1925) obteve grande êxito. Colaborou em vários jornais – de Lisboa e Porto. Politicamente, a sua actividade foi intensa, mas não longa. Quando da cisão do Partido Regenerador, em 1901, ingressou no Partido Regenerador-liberal, fundado por João Franco. Depois da queda do Governo de João Franco, que se seguiu ao regicídio, embora permanecendo fiel às suas ideias monárquicas, abandonou a política. Respeitado pelos seus adversários, a República manteve-o no lugar que ocupava no Parlamento, aposentando-se, no tempo legal, como 1.º redactor do Diário das Sessões. Faleceu em 1948.

§

“Já poucos sabem da existência do João Saraiva. Era um funcionário do Parlamento mas, mais do que isso, era um notável poeta satírico e tenho pena que os seus versos se tenham perdido. Noutro dia o Ventura Martins disse-me que ele era tio da sua mulher e eu fiquei interessadíssimo pela possibilidade de recuperação de algum espólio. Mas já agora vou deixar aqui dois versos que sei de cor. Um é dedicado a um deputado de Alcafozes, uma aldeia lá da Beira Baixa, que era muito estúpido. Ele fez-lhe esta quadra magnífica:

Quando fala o de Alcafozes,
Os burros ficam pasmados,
Ouvindo, estando calados,
O eco das próprias  vozes.

A outra é dedicada ao deputado Vasco Borges, o único deputado do Parlamento da República que, depois, foi deputado da União Nacional. Esta mudança tão radical foi, na altura, falada e comentada pelo País. Inclusivamente saiu um anúncio no jornal que dizia assim: «CASACAS, VIRAM-SE» e depois vinha o telefone dele. O verso é assim:

Na sala do Parlamento,
O da União Nacional,
Alguém lê em gesto lento,
Descompassado e banal,
Os eleitos de São Bento.
Eis que uma figura vem,
Ouve-se um nome: o de Vasco,
Os ecos repetem «asco»
E repetem muito bem.”

Por António Alçada Baptista publicado in A pesca à linha – Algumas memórias, Editorial Presença, janeiro de 1998, página 33.

Deixe aqui o seu comentário!

Protected by WP Anti Spam