812
0
COMPARTILHAR
Inicio Poemário Aurélio Porto...

Aurélio Porto (1945)

Aurélio Porto (1945)

0
812

Na roseira jovem
rosa branca já aberta.
Ah, míope! A primeira borboleta!

Safra do Regresso, Edições Sempre-Em-Pé, Setembro 2011, página 33.

§

Espreita o sol por entre por entre os automóveis.
Calmos, os dois cavalos soltos
sob as nuvens de outubro.

Safra do Regresso, Edições Sempre-Em-Pé, Setembro 2011, página 21

§

Nações

No alto do rochedo o vento faz a bandeira cantar
e marulha como se fosse um oceano.
Orgulho das nações, tão legítimo, pago com tanto sangue,
poeira que a brisa vai levando,
e que derruba o vento forte. 

§

Dorme tranquilo
pois os ventos sopram,
tu que fechastes bem tuas portas

Safra do Regresso, Edições Sempre-Em-Pé, Setembro 2011, página 28

§

Doçura dentro quente,
quase inverno fora
O jovem ombro desnudo!

Safra do Regresso, Edições Sempre-Em-Pé, Setembro 2011, página 31

§

Outubro

Morrer sim mas num dia luminoso e glorioso
de Outubro,
quando do mais alto cume o sol 

§

Aurélio Porto nasceu em 1945, em Cedofeita. Tradutor e professor do ensino secundário, até à recente aposentação. A sua obra poética, coligida sob o título de “Flor de um dia”, está em vias de publicação. Tem colaborado, desde o primeiro número, na “DiVersos – revista de poesia e tradução”. Reside no Porto.

Sito in http://triplov.com/

zp8497586rq