110 Leituras
0
COMPARTILHAR
Porto visto p...

Porto visto por Ismar Venâncio Barbosa

ISMAR Venâncio Barbosa é médico de formação e escreve desde os 15 anos. Nasceu na cidade de Maceió – Alagoas onde viveu até se mudar para a Cidade Maravilhosa (Rio de Janeiro) cujo encantamento tem inspirado os seus trabalhos. Nunca esteve em Portugal, mas ao apreciar o adocicado e aromático vinho do Porto é como se o conhecesse. Dedica-se à literatura em todas as suas formas, incluindo os mini contos que podem ser utilizados nos postais.

Por Paulo Moreira Lopes

1 – Data de nascimento e naturalidade?

09 de dezembro de 1946 na cidade de Maceió – Alagoas

2 – Atual residência?

Av. Paula Sousa, 351 apto. 1401 – Maracanã,  Rio de Janeiro – RJ CEP 20271-120

3 – Em que outros locais viveu de modo permanente?

Maceió-Alagoas

4 – Habilitações literárias?

Literatura Infantil e Juvenil

5 – Atividade profissional?

Médico

6 – Em que medida o local onde nasceu e viveu ou vive, influenciou ou influencia a sua vida artística?[1]

Escrevo desde os 15 anos e hoje, morando no Rio de Janeiro há 50 anos, tenho um encantamento grande pela Cidade Maravilhosa. Em 2015 participei do projeto publicado pela Editora Rovele, “Mapas Literários: O Rio em Histórias”. Uma coletânea de Contos que homenageava os 450 anos da Cidade do Rio de Janeiro. O Livro fez parte do Catálogo preparado pela FNLIJ para a Feira Literária de Bologna.

7 – Quando pensa na cidade do Porto lembra-se imediatamente de quê?

Como apreciador de vinho, me provoca conhecer a cidade que deu nome a um dos vinhos mais cobiçados do planeta, o adocicado e aromático vinho do Porto.

8 – Já visitou o Porto? Em caso afirmativo, por que motivo e qual a ideia com que ficou da cidade e da região?

Apesar do desejo, nunca estive em Portugal.

Literatura postal

9 – Tem a mania dos postais? Em caso afirmativo como explica essa apetência por uma literatura tão sucinta e tão efémera?

Aprecio a literatura em todas as suas formas e há cerca de 10 anos faço literatura na Estação das Letras do Rio de Janeiro tenho nos últimos 4 anos me dedicado à Literatura Infantil e Juvenil.

10 – Sente mais prazer em comprar, escrever e enviar o postal, em saber que foi recebido por outro ou em receber postais de outros?

Sempre que viajo compro Postais das cidades que visito pois eles são lembranças importantes dos lugares que visitei.

11 – Tendo em conta a popularidade da correspondência postal, será que podemos falar de uma literatura postal, quem sabe como uma derivação dos contos ou microcontos?

Muito interessante essa abordagem. Em Março próximo publicaremos um livro de mini contos pela Cartonera Carioca cujo título é “Conta conto”  Os mini contos podem ser utilizados em Postais e seriam muito apreciados.

12 – Endereço na web/blogosfera para o podermos seguir?

Facebook – Ismar Venâncio Barbosa

[1] NOTA: a pergunta pressupõe a defesa da teoria do Possibilismo (Geografia Regional ou Determinismo mitigado) de Vidal de La Blache, depois seguida em Portugal por Orlando Ribeiro, de que o meio (paisagem, rios, montanhas, planície, cidade e, acrescentamos nós, linguagem, sotaque, festividades, religião, história) influenciam as opções profissionais e artísticas dos naturais desse lugar.

§

ismar_barbosa_frente_HP_2016

Fugas por Ismar Venâncio Barbosa para a I Convocatória de Histórias em Postais.

Deixe aqui o seu comentário!

Protected by WP Anti Spam