406 Leituras
0
COMPARTILHAR
Porto visto p...

Porto visto por Ilda Almeida

ILDA Almeida vive em New Jersey, nos Estados Unidos da América. Nasceu em Vouzela e tem residência permanente na freguesia de Várzea, em S. Pedro do Sul. Os trinta anos que leva no estrangeiro não a fez esquecer as marcas do Vale de Lafões: a terra perfumada a loendros, giestas, urze e mimosa. Sempre que vem a Portugal tem de passar pelo Porto, que classifica como uma cidade fantástica, dinâmica e com um sotaque maravilhoso. I love it! diz. Gosta de escrever e deseja que a literatura postal cresça e se torne importante.

Por Paulo Moreira Lopes

1 – Data de nascimento e naturalidade (freguesia e concelho)?

Novembro 01/1961, natural de Vouzela, freguesia de Vouzela, concelho de Vouzela.

2 – Atual residência (freguesia e concelho)?

Mantenho residência em S. Pedro do Sul, freguesia de Várzea, concelho de S. Pedro do Sul.

3 – Em que outros locais viveu de modo permanente?

Vivo em New Jersey, nos Estados Unidos da América.

4 – Formação académica?

Union Country Collge Certificate in Floral Design
General Coursework in Business Administration

5 – Atividade profissional?

Receptionist
Poetry readings, floral design and plastic arts.

6 – Em que medida o local onde nasceu e viveu ou vive, influenciou ou influencia a sua vida artística?[1]

Quando deixei para trás tudo aquilo que faz parte de mim, tem que trazer influência na minha vida. Foi há mais de trinta anos que deixei o Vale de Lafões e vim para os Estados Unidos.

Toda esta separação e esta nova integração é o que fazem de mim o ser e o exprimir de hoje. Desde o universo familiar ao meu Portugal, que tantas vezes está tão perto e tantas outras está tão distante, dos percalços de uma vida onde a aventura, o prazer e a vontade de querer fazer a diferença ficam tão presentes na minha alma, tem que influenciar a minha vida.

Claro que influencia a minha pequena escrita e arte. O apego à minha terra perfumada a loendros, giestas, urze e mimosa deixam marca tatuada nos meus poros. Depois há o querer pertencer a uma rua que ficou minha por destino, numa cidade qualquer em outro continente.

É o ser eternamente imigrante.

É a influência gravada, em tudo que as minhas mãos tocam e deixam a silenciosa palavra saudade escrita.

É a minha nova terra exaltada na arte de escrever e dizer o que é para mim.

7 – Quando pensa na cidade do Porto lembra-se imediatamente de quê?

Da Casa da Música, dos vinhos do Porto, da arquitectura, etc.

8 – Já visitou o Porto? Em caso afirmativo, por que motivo e qual a ideia com que ficou da cidade e da região?

Sempre que vou a Portugal. Inicialmente pelo motivo de viagem – aeroporto, depois vou sempre que me é possível para desfrutar de todo a actividade cultural que a cidade proporciona. É uma cidade fantástica, dinâmica e com um sotaque maravilhoso. I love it!

Literatura postal

9 – Tem a mania dos postais? Em caso afirmativo como explica essa apetência por uma literatura tão sucinta e tão efémera?

Não, por acaso não tenho. Foi apenas uma experiência nova, uma curiosidade…

10 – Sente mais prazer em comprar, escrever e enviar o postal, em saber que foi recebido por outro ou em receber postais de outros?

Todos os aspectos apresentados são agradáveis de participação.

11 – Tendo em conta a popularidade da correspondência postal, será que podemos falar de uma literatura postal, quem sabe como uma derivação dos contos ou microcontos?

Gosto de literatura, seja ela contos ou microcontos, crónicas ou poesia. Gosto de escrever, costumo escrever e fazer algumas publicações. A correspondência postal é realmente muito interessante. Não tenho ideia da sua popularidade, mas desejo que cresça e se torne importante.

12 – Endereço na web/blogosfera para a podermos seguir?

Através do grupo no Facebook “ UM CAMINHO E O MOMENTO

[1] NOTA: a pergunta pressupõe a defesa da teoria do Possibilismo (Geografia Regional ou Determinismo mitigado) de Vidal de La Blache, depois seguida em Portugal por Orlando Ribeiro, de que o meio (paisagem, rios, montanhas, planície, cidade e, acrescentamos nós, linguagem, sotaque, festividades, religião, história) influenciam as opções profissionais e artísticas dos naturais desse lugar.

§

ilda_almeida_frente_hp_2016

Oportunidades por Ilda Almeida para a I Convocatória de Histórias em Postais.

Deixe aqui o seu comentário!

Protected by WP Anti Spam