266
0
COMPARTILHAR
Inicio Do outro mundo Porto visto p...

Porto visto por Hila Rodrigues

Porto visto por Hila Rodrigues

0
266

HILA Rodrigues vive, atualmente, em trânsito entre as cidades de Mariana e Belo Horizonte, terra natal. É jornalista, professora, pesquisadora e escritora. O sítios por onde tem morado, cada um à sua maneira, acabaram por condicionar a sua forma de ver o mundo e, em consequência, o seu trabalho literário. Os postais sempre a encantaram. Vê neles a possibilidade de guardar lugares dentro de si, diz. A literatura postal, em seu entender, abre um caminho harmonioso para que possamos contar fragmentos de histórias. Quando pensa no Porto lembra-se do vinho e de memórias.

Por Paulo Moreira Lopes

1 – Data de nascimento e naturalidade (freguesia e concelho)?

4 de janeiro de 1967, Belo Horizonte (Minas Gerais – Brasil).

2 – Atual residência (freguesia e concelho)?

Belo Horizonte.

3 – Em que outros locais viveu de modo permanente?

Mariana e Ouro Preto – Minas Gerais. Estou sempre em trânsito: fico 4 dias em Mariana (que é bastante próxima de Ouro Preto) e 3 dias em Belo Horizonte. Depois que fui nomeada professora da Universidade Federal de Ouro Preto, instalei-me em minha segunda casa, que é no bairro do Rosário, em Mariana.

4 – Habilitações literárias/formação académica?

Jornalista, graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, e doutora em Ciências Sociais pela mesma instituição. Atualmente, professora do Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto.

5 – Atividade profissional?

Jornalista, professora, pesquisadora e escritora.

6 – Em que medida o local onde nasceu e viveu ou vive, influenciou ou influencia a sua vida artística?[1]

Penso que Belo Horizonte, suas montanhas e estradas curvas, transformaram-me em alguém que gosta de cheirar as manhãs e escrever histórias de pessoas e cidades. Já Mariana e Ouro Preto, minha segunda morada, ensinaram-me a apreciar os trabalhos de memória, aumentando em mim a curiosidade e o apreço pela história dos homens e dos lugares que ele constrói.

7 – Quando pensa na cidade do Porto lembra-se imediatamente de quê?

Vinho e memórias.

8 – Já visitou o Porto? Em caso afirmativo, por que motivo e qual a ideia com que ficou da cidade e da região?

Não.

Literatura postal

9 – Tem a mania dos postais? Em caso afirmativo como explica essa apetência por uma literatura tão sucinta e tão efémera?

Postais sempre me encantaram. Vejo neles a possibilidade de guardar lugares dentro de mim.

10 – Sente mais prazer em comprar, escrever e enviar o postal, em saber que foi recebido por outro ou em receber postais de outros?

Escrever e saber que foi recebido pelo outro.

11 – Tendo em conta a popularidade da correspondência postal, será que podemos falar de uma literatura postal, quem sabe como uma derivação dos contos ou microcontos?

Sem dúvida. A meu ver, o postal abre um caminho harmonioso para que possamos contar fragmentos de histórias, explorando palavras e imagens que viajarão no espaço – e também no tempo.

12 – Endereço na web/blogosfera para o podermos seguir?

https://www.facebook.com/ColetivoOGrito/

https://twitter.com/hilarodrigues

[1] NOTA: a pergunta pressupõe a defesa da teoria do Possibilismo (Geografia Regional ou Determinismo mitigado) de Vidal de La Blache, depois seguida em Portugal por Orlando Ribeiro, de que o meio (paisagem, rios, montanhas, planície, cidade e, acrescentamos nós, linguagem, sotaque, festividades, religião, história) influenciam as opções profissionais e artísticas dos naturais desse lugar.

§

hila_rodrigues_frente_HP_2016

(R)existir por Hila Rorigues para a I Convocatória de Histórias em Postais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here