178 Leituras
0
COMPARTILHAR
Porto visto p...

Porto visto por Galvanda Galvão

GALVANDA Galvão nasceu em Fortaleza e daí partiu para o Recife, Rio de janeiro, São Paulo, S. José Rio Preto-SP, Birigui-SP, até se fixar em Belém, Brasil. É professora, pesquisadora, escritora, fotógrafa e videoartista. Conta que os pés e os traços frequentam muitos territórios. Visto de lá, o Porto parece-lhe uma cidade próxima, a língua abrindo os percursos e o imaginário rio. Encara os postais como haicais e sente prazer em tocá-los, recebê-los, envia-los, no fundo, em colar nos sítios……a marca precisa! Neste tempo tão acelerado, o postal é quase como um relicário, conclui.

Por Paulo Moreira Lopes

1 – Data de nascimento e naturalidade (freguesia e concelho)?

Fortaleza – Ce- Brasil em 16 de setembro de 1969.

2 – Atual residência (freguesia e concelho)?

Belém – Pa- Brasil.

3 – Em que outros locais viveu de modo permanente?

Recife, Rio de janeiro, São Paulo, S. José Rio Preto-SP, Birigui-SP e Belém.

4 – Habilitações literárias?

Licenciatura.

5 – Atividade profissional?

Professora, pesquisadora, escritora, fotógrafa e videoartista. Muitos territórios, os pés e os traços.

6 – Em que medida o local onde nasceu e viveu ou vive, influenciou ou influencia a sua vida artística?[1]

Os lugares são as vozes ou ao avesso? ruídos e silêncios se desdobrando, como palimpsestos.

7 – Quando pensa na cidade do Porto lembra-se imediatamente de quê?

Uma cidade próxima, a língua abrindo os percursos e o imaginário rio.

8 – Já visitou o Porto? Em caso afirmativo, por que motivo e qual a ideia com que ficou da cidade e da região?

Ainda não. O Porto para mim um território imaginário, desenhado em linguagens varias, as veredas.

Literatura postal

9 – Tem a mania dos postais? Em caso afirmativo como explica essa apetência por uma literatura tão sucinta e tão efémera?

Os postais como haicais, o tempo para adentrar o efémero.

10 – Sente mais prazer em comprar, escrever e enviar o postal, em saber que foi recebido por outro ou em receber postais de outros?

O prazer tactil, receber, enviar, colar nos sítios……a marca precisa!

11 – Tendo em conta a popularidade da correspondência postal, será que podemos falar de uma literatura postal, quem sabe como uma derivação dos contos ou microcontos?

Nesse tempo tão acelerado, absorvido numa avalanche de imagens, o postal é quase como um relicário.

12 – Endereço na web/blogosfera para o podermos seguir?

ameninaanolimoc.blogspot.com.br

[1] NOTA: a pergunta pressupõe a defesa da teoria do Possibilismo (Geografia Regional ou Determinismo mitigado) de Vidal de La Blache, depois seguida em Portugal por Orlando Ribeiro, de que o meio (paisagem, rios, montanhas, planície, cidade e, acrescentamos nós, linguagem, sotaque, festividades, religião, história) influenciam as opções profissionais e artísticas dos naturais desse lugar.

§

galvanda_galvao_frente_HP_2016

Saltar o rio por Galvanda Galvão para a I Convocatória de Histórias em Postais.

Deixe aqui o seu comentário!

Protected by WP Anti Spam