137 Leituras
0
COMPARTILHAR
Porto visto p...

Porto visto por Alexandre Mauro Toledo

ALEXANDRE Mauro Toledo sempre viveu em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Por morar numa grande cidade (mais de dois milhões de habitantes), o que escreve reflete a sua condição de homem urbano, nascido e residente num país sulamericano e periférico (onde ficará o centro?). Integra o coletivo O Grito, que produz postais poéticos. Em tempos, quando veio a Portugal não esteve no Porto: cidade que deu nome ao país, lembra. Agora, ao participar na I Edição das Histórias em Postais, do Correio do Porto, vai poder estar connosco em vários pontos da cidade e arredores.

Por Paulo Moreira Lopes

1 – Data de nascimento e naturalidade (freguesia e concelho)?

21/02/1964 em Belo Horizonte, Minas Gerais

2 – Atual residência (freguesia e concelho)?

Belo Horizonte.

3 – Em que outros locais viveu de modo permanente?

Sempre vivi em Belo Horizonte.

4 – Formação académica?

Doutor em Comunicação e Semiótica, mestre em Filosofia, ator e diretor de teatro, dramaturgo.

5 – Atividade profissional?

Trabalho com teatro em Belo Horizonte.

6 – Em que medida o local onde nasceu e viveu ou vive, influenciou ou influencia a sua vida artística?[1]

Na medida em que moro em uma grande cidade (mais de dois milhões de habitantes) e o que escrevo reflete minha condição de homem urbano nascido e residente em um país sulamericano, periférico.

7 – Quando pensa na cidade do Porto lembra-se imediatamente de quê?

De que o nome original da cidade deu nome ao país.

8 – Já visitou o Porto? Em caso afirmativo, por que motivo e qual a ideia com que ficou da cidade e da região?

Não. Já estive em Portugal, mas não estive no Porto.

Literatura postal

9 – Tem a mania dos postais? Em caso afirmativo como explica essa apetência por uma literatura tão sucinta e tão efémera?

Não. Entrei no projeto em questão por afinidade com os membros do grupo.

10 – Sente mais prazer em comprar, escrever e enviar o postal, em saber que foi recebido por outro ou em receber postais de outros?

Não tenho o hábito e confesso que recebi bem poucos postais. Nem me recordo qual foi a última vez.

11 – Tendo em conta a popularidade da correspondência postal, será que podemos falar de uma literatura postal, quem sabe como uma derivação dos contos ou microcontos?

Pois é, nossa aposta é exatamente essa.

12 – Endereço na web/blogosfera para o podermos seguir?
Nosso perfil no Facebook.

[1] A pergunta pressupõe a defesa da teoria do Possibilismo (Geografia Regional ou Determinismo mitigado) de Vidal de La Blache, depois seguida em Portugal por Orlando Ribeiro, de que o meio (paisagem, rios, montanhas, planície, cidade e, acrescentamos nós, linguagem, sotaque, festividades, religião, história) influenciam as opções profissionais e artísticas dos naturais desse lugar.

§

alexandre_toledo_frente_HP_2016

Ouvi um grito lá fora por Alexandre Mauro Toledo para a I Convocatória de Histórias em Postais.

Deixe aqui o seu comentário!

Protected by WP Anti Spam