O Guarda-chuva de Vizela, um retrato experimental de José Simões

0
365

NUMA das ruas do Porto vão encontrar uma porta vermelha, que pode estar apenas semi-aberta ou mesmo fechada. Lá dentro está Artur Oliveira, muitas vezes descrito pelos outros profissionais da madeira como o único torneiro de madeira a trabalhar no centro do porto.
Está lá dentro desde os 13 anos, altura em que o pai, figura central da sua vida e com quem aprendeu tudo o que sabe, o trouxe de Gaia.

O Xano diz que parece que o senhor mora lá. Não mora, mas já morou – quando era pequeno, ficava lá a dormir enquanto o pai regressava a Gaia para voltar no dia seguinte e retomar o trabalho.

Artur está lá para quem precisa de peças únicas e de trabalhos especiais. Trabalha essencialmente para restauros, replicando peças que se danificaram, mas também produz peças novas a pedido. Se é um trabalho que pode ser feito no seu torno, ele faz.
A toda gente que lá vai com tempo para conversar, conta sempre a história do engenheiro que, vindo em nome de uma qualquer entidade que trabalhava em defesa do artesanato, lhe propunha modernizar a sua oficina instalando máquinas que lhe permitissem automatizar processos e aumentar a produção. A resposta que o engenheiro levou não posso escrever aqui, mas basta dizer que o torno do sr.Artur ainda é o mesmo do tempo do pai dele. Reforça a toda a hora que o seu trabalho é o de um artesão, que se faz peça a peça com a experiência que ganhou ao longo das décadas.

A ir lá, é bom fazê-lo com tempo para o ver trabalhar de compasso e goiva na mão, que garanto ser hipnotizante e estranhamente relaxante.

(Alice Bernardo)

“Como era o seu Pai, o Artur é igual”, é mestre em condições e respeitado e é dono da Rua Conde de Vizela. Guarda as chaves de algumas casas da rua, diz que é para ir contar a luz e a água e paga o condomínio também. Em pequeno trabalhava que nem um cão, agora vai-se entretendo.É conhecido por toda a parte, não só em Portugal mas pelo mundo, numa fotografia num bar nos E.U.A, em jornais suíços e até lhe enviam postais e fotografias que tiram com ele.
Na cidade do Porto é um dos últimos torneiros senão o último no ativo. Artur diz que é o Guarda-chuva da rua.

(José Simões)

Ficha técnica

Imagem e edição de vídeo de / video edition and camera by José Simões
Com / With Artur Oliveira
Grafismo de / Graphics by José Simões
Interpretação e legendagem para Inglês de / Interpretation and subtitles by Marta Pessanha Mascarenhas

um retrato experimental para o Roteiro Oficinal do Porto por José Simões / a experimental portrait for Roteiro Oficinal do Porto by José Simões

Publicado in Roteiro Oficinal do Porto

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here