79 Leituras
0
COMPARTILHAR
CESPU transfo...

CESPU transformou Gandra em cidade

Foto: Pedro Granadeiro/Global Imagens

UMA cooperativa de ensino superior com cursos de saúde instala-se em Gandra, Paredes, nos anos 1990. A economia local cresceu, a aldeia passou a vila, a vila a cidade. O instituto universitário tem agora a maior percentagem de alunos estrangeiros do país e poderá ser a primeira instituição privada a receber um curso de Medicina.

Em 1990, quando as máquinas começaram a abrir buracos na terra para construir o primeiro polo da CESPU (Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário) em terrenos disponibilizados por um dos fundadores, havia um restaurante e um prédio com uma loja de móveis na antiga EN15, que ligava Porto a Vila Real. Pouco mais. Ainda não havia autoestrada, nem bancos, nem cabeleireiros e salões de estética, nem pizarias e hamburguerias, nem gabinetes de projetos de arquitetura na rua central.

Gandra, no concelho de Paredes, era uma aldeia com pouco mais de cinco mil habitantes.
Hoje vivem lá sete mil pessoas e é há 14 anos uma cidade multicultural. Com a unidade de ensino universitário com maior percentagem de alunos estrangeiros do país, 32,7%, mais do dobro dos 12% da média nacional. São 405 estrangeiros em 1238 estudantes, sobretudo franceses, espanhóis e italianos. Nos cafés, restaurantes, no campus universitário, falam-se várias línguas. No café Molete, ao lado da faculdade, ouve-se italiano.

A funcionária Cátia Nora já se habituou a essa diversidade, atende os alunos sem problemas. Quando não percebe, faz perguntas até entender. «Gandra era só campos e tudo mudou com a faculdade. Ninguém pensava encontrar aqui um Pingo Doce, que abriu há um ano», comenta. O prédio do Molete nem sequer existia no início dos anos 90. «As urbanizações aumentaram e até a nível cultural está diferente.»

O ano letivo está a terminar, há exames marcados, o parque de estacionamento da universidade está cheio, há poucas mesas vagas na zona de estudo, mais de metade dos lugares da biblioteca estão ocupados, os alunos conversam nos corredores, nas escadas, no bar. Vanessa Marcelino, que tirou o curso em Gandra, dá uma aula de Anatomia em francês para uma turma do primeiro ano.

A freguesia cresceu à volta da CESPU, que apresentou em outubro passado uma candidatura para a abertura de um curso de Medicina. Se for aceite, será a primeira instituição privada a ter uma licenciatura nessa área.

Os alunos, todos franceses, analisam os membros inferiores, fazem perguntas, tiram dúvidas. «Veem as coisas nas mãos e ficam entusiasmados. São aplicados, vêm com um objetivo, e ao fim do primeiro ano já falam português», diz a professora. Na CESPU, os alunos estrangeiros têm aulas em francês no primeiro ano, quatro a seis horas de português por semana. No segundo ano, misturam-se com outras turmas e antes de irem para estágio fazem uma prova de português. Se não estão preparados, têm de reforçar as aulas de língua portuguesa.

A CESPU tem quatro edifícios em Gandra. Numa sala, uma aula de fisioterapia sobre musculatura, noutra aprende-se a desvitalizar um dente, ali ao lado fazem-se próteses, no auditório há uma aula em francês sobre o córtex cerebral. Nos laboratórios do instituto de investigação, que envolve 98 doutorados, 40 alunos de doutoramento e 94 de mestrado, trabalha-se de bata e quase em silêncio. Nos últimos três anos, este departamento publicou 408 artigos em revistas internacionais.

A freguesia cresceu à volta da CESPU que apresentou em outubro passado uma candidatura para a abertura de um curso de Medicina. Se for aceite, será a primeira instituição privada a ter um curso nessa área. Fora do sistema público foi a primeira a ter Medicina Dentária e a primeira a firmar uma parceria público-privada com o Serviço Nacional de Saúde, com o Hospital Senhora da Oliveira, em Guimarães.

A antiga EN15 é agora uma avenida com prédios e várias casas comerciais. Os 140 lugares da residência universitária de Gandra, inaugurada em dezembro de 2015 num edifício recuperado por um grupo de investidores, estão totalmente ocupados por alunos estrangeiros – só um é português. É um prédio com cinco pisos, cozinha comunitária em cada andar, refeitório no rés-do-chão, lavandaria, lugar de garagem. As mensalidades oscilam entre 400 e 560 euros.

Na esplanada da residência, Fadil, Marion e Elisa, todos franceses, almoçam antes de mais uma tarde de aulas, enquanto Ilda Santos, dona de uma papelaria e centro de cópias, ao lado da faculdade, regressa ao trabalho. Há 17 anos mudou de vida, deixou de ser costureira e abriu um negócio por causa da faculdade. E não tem mãos a medir. «Gandra era uma aldeia, a universidade veio trazer interesse económico, movimento e muita juventude.»

O presidente da Junta de Freguesia de Gandra, Paulo Ranito, aqui nascido e criado, sente as mudanças. «A faculdade transformou completamente a freguesia. A CESPU é o principal motor de desenvolvimento da freguesia e do concelho. Passámos de uma aldeia rural no limite do concelho para uma das principais cidades de Paredes.»

O Mestrado Integrado em Medicina Dentária é o que tem mais alunos estrangeiros: 316 ao todo, quase metade dos 735. O francês Loick Pourbaix, de 22 anos, é um deles. Está no quarto ano e voltará a Lille quando terminar o curso, dois dentistas da sua cidade garantem-lhe trabalho. «Está a ser uma boa experiência e estou muito feliz. Fazemos um trabalho que exige muita prática.» Bata branca, olhos no computador e no registo de dados, Loick está na clínica universitária da CESPU, espaço com 50 compartimentos de dentista – é a única clínica de uma faculdade que está aberta das 09h00 à meia-noite de segunda a sexta, não fecha em agosto, disponível à população a preços mais acessíveis.

Em França, Loick tentou entrar em dentária duas vezes e não conseguiu. Cruzou-se com um professor que fazia a ligação com a faculdade portuguesa e não hesitou. «Estou muito contente, é esta faculdade que me permite fazer o que gosto.» E já fala português.

Denni Scavome é italiano, de Vicenza, perto de Veneza, e quando chegou a Gandra também não sabia uma palavra de português. Agora sabe. Tem 27 anos, não conseguiu entrar em Medicina Dentária em Itália. Era canalizador durante o dia, estudava prótese dentária à noite, e foi aí que um professor lhe falou da escola de Gandra. «Tinha o meu salário e deixei a minha vida, a minha família em Itália. Foi uma revolução.» A componente prática do curso agrada-lhe. «Temos uma clínica que nos deixa aprender durante o curso e é muito importante saber usar as mãos. Temos oportunidade de trabalhar com materiais profissionais e com pacientes.» Denni quer ser um bom médico dentista. Se tudo correr bem, terminará o curso em 2020 e então decidirá se regressa ou não a Itália. Gandra é uma cidade tranquila que o ajuda a estar focado nos estudos.

Paula Barbosa não tem qualquer dúvida que assim é. A instituição de ensino mudou aquela terra. Há quatro anos, tomou conta de um restaurante colado à faculdade. Adaptou a ementa ao gosto dos alunos, refeições vegetarianas no menu, 12 pratos do dia à base de grelhados, mais saladas e legumes, todo o tipo de omeletes. E saber falar francês ajuda. «A faculdade deu outra vida a Gandra, na restauração não havia quase nada e hoje, de rotunda a rotunda, em 800 metros, há 12 a 15 restaurantes.»

O italiano Marco Günther, aluno do segundo ano de Medicina Dentária, mora por cima do restaurante de Paula. Tem 37 anos, deixou a mulher e os filhos de 2 e 9 anos em Trento, para ser dentista. Vai matando saudades por Skype e acredita que o esforço valerá a pena. As poucas vagas em Itália, as várias tentativas para entrar no curso, e a indicação de um professor que tinha a filha a caminho de Gandra, foram determinantes. Concorreu, entrou em Portugal.

Exportar o modelo de ensino para fora da Europa, captar alunos europeus, investir na especialização, têm sido as bases da CESPU.

Em Itália, trabalhou num laboratório de próteses, teve o seu próprio negócio, e decidiu voltar a estudar para ser médico dentista. «É o meu sonho e é para o bem deles, dos meus filhos e da minha mulher.» Mas custou voltar a pegar nos livros. «A minha escola não me preparou para uma faculdade assim. Não é um trabalho só de conceitos, também é prático, é preciso saber mexer com as mãos. E o meu cérebro atirou-se de novo ao estudo.»

Lucia Lorena de la Cruz está a 11 mil quilómetros e 12 horas de voo de casa, em Lima, no Peru. É em Portugal que quer estar para fazer a especialidade em cirurgia ou implantologia. Tem 26 anos, está no último ano de Medicina Dentária, a terminar a tese sobre a prevalência dos dentes inclusos. Depois quer arranjar emprego, tratar de tudo para se inscrever na Ordem dos Médicos. Um congresso na Universidade Peruana Cayetano Heredia com dois professores da CESPU, e surgiu a oportunidade de estudar em Gandra. Nem pestanejou. «Lá tínhamos de arranjar pacientes, aqui são os pacientes que chegam às consultas. Aqui é muito tranquilo para estudar e as pessoas são muito simpáticas.»

Sara Rey está mais perto de casa. Espanhola da Galiza, tem 22 anos e dos 18 aos 20 tirou um curso de prótese dentária no país natal, mas ficou à porta quando tentou entrar
em Medicina Dentária. Veio para Gandra, está no segundo ano, e desde pequena que quer ser dentista. «Aqui mexemos em materiais, fazemos coisas.» Em Espanha, garante, o ensino é mais teórico.

Gandra habituou-se à diversidade, a faculdade já faz parte da paisagem. Sandrine Ribeiro tem um cabeleireiro com vista para a residência universitária. Não se queixa do movimento, deixou de ter um dia de folga na semana, agora trabalha de segunda a sábado. Nasceu em França, filha de pais emigrantes, voltou há 19 anos para Baltar, terra dos pais. «Se não fosse a faculdade não tínhamos vindo para aqui.» E foi por causa da CESPU que montou o seu negócio naquele local. «Antigamente isto era só montes, se não fosse a faculdade não havia nada.» As alunas francesas são clientes assíduas. «É cabelos, é unhas, só fecho ao domingo.»

Exportar o modelo de ensino para fora da Europa, captar alunos europeus, investir na especialização, têm sido as bases da CESPU. A crise demográfica, a abertura de vários estabelecimentos de ensino públicos na área da saúde, a inconstância do ensino privado, não passaram ao lado da instituição. Pelo contrário. «Temos de viver em função do que produzimos e não podemos baixar as guardas porque temos de ter proveitos para pagar os salários aos colaboradores da instituição», diz António Almeida-Dias, presidente do conselho de administração da CESPU, doutorado em Medicina.

A necessidade espicaçou a vontade de ser diferente. «Decidimos nunca abandonar o princípio da especialização, somos especialistas na área da saúde. A tendência para ir para cursos baratos é enorme, mas resistimos sempre e mantivemos cursos pesados do ponto de vista de tecnologia.» A componente prática e as parcerias com dezenas de instituições também fazem parte da estratégia. «Assentamos esta área da saúde no saber fazer, na aquisição de competências profissionais, porque o conhecimento científico é algo que está ao alcance das pessoas muito facilmente, o que é difícil é aprender a fazer. E isto faz que os nossos alunos, quando terminam os cursos, tenham um grau de autonomia elevado.»

Há alunos que acabam o curso e vão para o estrangeiro, os mercados internacionais ficam de olho na qualidade desses profissionais, há uma curiosidade à volta da cooperativa de ensino. Nuno Tiago, fisioterapeuta do Manchester United, é um exemplo. Curso tirado na CESPU, experiência internacional. «Não queremos ser mais uma escola para o mercado nacional, queremos uma escola para o mercado global», sublinha Almeida-Dias.

Neste momento, a procura dos alunos estrangeiros é três vezes superior ao número de vagas. O trabalho de captação de alunos, sobretudo europeus, começou em 2012 e está a dar frutos. Luís Silva, da direção da CESPU, lembra que a cooperativa marca presença «em feiras de promoção de ensino superior pela Europa». Em cinco feiras por ano em Paris e Bordéus, três em Roma e Milão, uma em Madrid. Há ainda trabalho feito junto de agentes locais de promoção através dos media sociais. E estarão presentes em feiras nas escolas do Brasil.

«O investimento na captação tem diminuído. Este passa a palavra tem-nos facilitado a vinda de novos alunos. Se tivéssemos três vezes mais vagas elas seriam ocupadas», diz Miguel Martins, responsável pela CESPU Europa. Mesmo assim, há novos mercados como o Brasil e a Índia debaixo de olho.

Uma história com 35 anos

Tudo começou há 35 anos, em 1982, em São Roque da Lameira, Porto. No ano zero, a CESPU tinha 250 alunos. Em 1995, mudou-se para Paredes. Neste momento, em Gandra, o Instituto Universitário de Ciências da Saúde tem cinco licenciaturas, dois mestrados integrados de Ciências Farmacêuticas e Medicina Dentária, sete mestrados, especialidade em Ortodontia e um doutoramento em Ciências Biológicas aplicadas à Saúde.

Tem mais dois institutos politécnicos de saúde, em Vila Nova de Famalicão (15 cursos e 478 alunos) e Penafiel (oito cursos e 450 alunos). Ao todo: 2166 alunos, 1651 portugueses e 515 estrangeiros. E um corpo técnico com 347 professores, 164 dos quais doutorados. Uma licenciatura custa entre 4000 e 6500 euros por ano.

A CESPU detém 80% do Hospital Particular de Paredes, 25% do Hospital Particular de Barcelos, e 100% dos Anjos da Noite, rede de cuidados domiciliários, em Lisboa. Tem parcerias com Angola, onde está desde 2006 no Instituto Superior Politécnico de Benguela com cursos de saúde, com a Universidade de Barcelona, com a Universidade Privada de Marraquexe onde começará com quatro cursos no próximo ano letivo. E colabora na reestruturação de cursos em Dakar, no Senegal.

Texto de Sara Dias Oliveira e fotografia Pedro Granadeiro/Global Imagens publicado in Notícias Magazine

Deixe aqui o seu comentário!

Protected by WP Anti Spam