2.208 Leituras
1
COMPARTILHAR
Zilda Cardoso...

Zilda Cardoso

Que feitiço me ligou desde sempre à Casa da Eira? A casa chamada nos meios académicos Casa Alcino Cardoso e para o turismo de Habitação Casa da Eira de Moledo do Minho foi reconstruída a partir das suas ruínas de um século segundo um projecto do Arq. Álvaro Siza. 

§

Não creio que este mar seja arrogante, como dizem. O caso é outro. Pode dar essa ideia quando se zanga e se atira contra os rochedos, lhes bate e os reduz, de facto, espatifando-os em mil pedaços que espalha e finalmente fixa noutros pontos. Onde acabam por perdurar durante séculos ou milénios. 

§

Era meado de Março, a temperatura alta para aquela hora da tarde… A folhagem do chão que, no fim do Verão estalava sob a rudeza dos meus pés ou rugia mesmo, mais tarde… apenas um murmúrio me permitia escutar, se com atenção, o que dizia. 

§

Devo redefinir a palavra MAR. Segundo o que vejo hoje, não posso chamar mar ao que habitualmente chamo mar.
O que hoje vejo é uma colcha de seda brilhante e selvagem, activa, com cores cujos tons tornam a sua cor indefinida. E os brilhos são apenas seus movimentos delicados e aparentemente superficiais. 

§

O que vejo da minha janela é uma vastidão, dizem. É, com certeza, uma quantidade extensíssima de água – um lago – rodeado por qualquer coisa que a retém e que não tento descobrir. Não sei se é uma vastidão. 

§

Costumamos dizer e ouvir dizer que pensar dá muito trabalho, e que as pessoas em geral não gostam de pensar. Assim não apreciam ler porque ler dá que pensar. 

§

Um dia de calor na cidade 

§

As pontes da cidade 

1 COMENTÁRIO

  1. Foi com surpresa que deparei com a reprodução deste meu artigo no Correio do Porto. E quero agradecer. Por vezes tenho pena que artigos com interesse geral não sejam mais lidos, mas não sei o que fazer para o conseguir para além de tentar escrever o melhor possível e de escolher temas não demasiado superficiais nem muito comuns, também não políticos…
    Obrigada.
    Zilda Cardoso

Comments are closed.