Rua da Estrada não se sabe de quê

/ 196 leituras
TEMOS uma extrema necessidade de dar nomes às coisas. Pensamos, talvez, que as coisas não podem existir se não tiverem nomes ou se, baralhados os nomes, confundidos ou trocados, também se co...

Rua da Estrada romana

/ 193 leituras
UM soldado romano e uma estrada é uma daquelas parelhas que não causa qualquer surpresa. É como um semáforo ou uma placa de sinalização de trânsito ou um polícia sinaleiro se fosse cruzament...

Rua da estrada do fim do mundo

/ 197 leituras
NO limite entre o fim do mundo e o resto existe apenas um muro branco que se vai estendendo à medida que se fixam as decisões sobre quem ou o quê vai findar e onde. Os cemitérios e outros es...

Rua da Mão do Homem

/ 231 leituras
JÁ começa a ser muito difícil encontrar um lugar no planeta que não tenha sido revolvido ou transformado pela mão do homem. Por via disso, chamam Antropoceno a esta nova era geológica onde, ...

Rua da Estrada incógnita

/ 205 leituras
ESCREVEU Fernando Pessoa (que continua sendo cidadão muito estimado): A primeira verdade da sociologia — ciência, aliás, conjectural e imperfeita — É que a humanidade não existe. Existe, sim...

Rua da Estrada do caos

/ 251 leituras
OS do tempo das antiguidades gregas que pensavam e escreviam sobre tudo o que havia desde o início do mundo, os deuses, os titãs e as ninfas, colocavam aí a dobra primordial que, do lamaçal ...

Rua da Estrada off-grid

/ 226 leituras
HABITUALMENTE, off-grid usa-se no jargão global para designar tecnologias e sistemas de produção e consumo de energia desconectados das redes convencionais como a rede eléctrica. A rede tem ...

Rua da Estrada das visões místicas de Cervantes e Lúcia

/ 298 leituras
QUANDO deixei as planuras secas da Mancha e vim para estas terras de Portugal, pensei que todos aqueles fantasmas se tinham esfumado e a minha doce Dulcineia tivesse regressado ao sonho que ...

Rua da Estrada do relicário

/ 343 leituras
TUDO o que não se entende, se revela de forma fugaz, tudo o que nos parece grandioso e “transcendente” (que se revela para lá do que se conhece), tudo o que é insólito, novo, inexplicável, t...

Rua da Estrada do frango a jacto

/ 449 leituras
NÃO é preciso uma massa encefálica por aí além para entender o desgosto e a frustração de quem tem asas e não pode voar, nem sequer uma coisa breve para subir um pouco, ganhar vistas e horiz...

Rua da Estrada do galo no giratório

/ 287 leituras
PARA memória futura antes que a tinta desbote, fica registado que este galo é de Barcelos, das terras de Prado onde se fazia muita telha, louça e figurado ou estatuária. Desde que os visitan...

Rua da Estrada dos reformados 1977

/ 302 leituras
ABERTURA: que morno que está este dia! Dizem (os franceses dizem) que a reforma foi uma ideia de Colbert - o super-ministro das finanças de Luís XIV - para atrair e fidelizar os melhores ...

Rua da estrada da piscina seca

/ 416 leituras
AINDA que pouco espaçosa, uma piscina é obra para aplicar algum capital e por isso se deve pensar muito bem onde construir o dispositivo natatório - longe do ruído, afastado de olhares indis...

Rua da Estrada do homem invisível sentado

/ 471 leituras
DESCANSADO que estava na Rua da Estrada, não me ocorreria pensar que ia tropeçar numas curtas e estimulantes palavras de Michel Serres acerca do assunto asfáltico. O homem é uma autoridade u...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Jorge Nuno Pinto da Costa (1937)

Nas duas últimas jornadas, voltámos ao passado. Para mim, o VAR só tem sido negativo. Quando não há uniformidade de critérios, tem de ser negativo. É inconcebível tanto o que se passou nas Aves, com um penálti não assinalado que nem precisava de VAR, como aquele fora de jogo assinalado no FC Porto-Benfica. Esse é para o Guinness.

Rua da Estrada não se sabe de quê

TEMOS uma extrema necessidade de dar nomes às coisas. Pensamos, talvez, que as coisas não podem existir se não tiverem nomes ou se, baralhados os nomes, confundidos ou trocados, também se confundissem as coisas acabando por colapsar por crise crónica de identidade, anomia ou anonimato. Como pensamos o mundo com palavras, tudo o que não tiver palavras ou palavra que não tenha mundos, se precipitará infinitamente por abismos abertos entre mundos desconhecidos. Dito isto, pensamos também que uma vez as coisas nomeadas por palavras, se perderiam se não fossemos capazes de classificar famílias d...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 299 leituras
Há relógios à prova de vinho?

Errata

/ 299 leituras
No título da notícia publicada no JN de 12 de dezembro de 2017, página 12, onde se lê, “PCP critica Governo refém do capital”, deve ler-se, “PCP refém do Governo critica capital”, por PML