Teo – o cão pastor (366)

/ 28 leituras
Publicado por Lina & Nando

Humor ao alto (LVII)

/ 32 leituras
Publicado por Augusto Baptista in azul-canário. in Opus 4, edição da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, outubro de 2014, página 328.

Teo – o cão pastor (370)

/ 47 leituras
Publicado por Lina & Nando

Humor ao alto (LVI)

/ 46 leituras
Publicado por Augusto Baptista in azul-canário. in Opus 4, edição da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, outubro de 2014, página 347.

Teo – o cão pastor (369)

/ 64 leituras
Publicado por Lina & Nando

Humor ao alto (LV)

/ 51 leituras
Publicado por Augusto Baptista in azul-canário. in Opus 4, edição da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, outubro de 2014, página 340.

Teo – o cão pastor (368)

/ 60 leituras
Publicado por Lina & Nando

Humor ao alto (LIV)

/ 62 leituras
Publicado por Augusto Baptista in azul-canário. in Opus 4, edição da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, outubro de 2014, página 300.

Teo – o cão pastor (367)

/ 74 leituras

Humor ao alto (LIII)

/ 38 leituras
Publicado por Augusto Baptista in azul-canário. in Opus 4, edição da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, outubro de 2014, página 239.

Teo – o cão pastor (365)

/ 37 leituras
Publicado por Lina & Nando

Humor ao alto (LII)

/ 32 leituras
Publicado por Augusto Baptista in azul-canário. in Opus 4, edição da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto, outubro de 2014, página 261.

Teo – o cão pastor (364)

/ 38 leituras
Publicado por Lina & Nando

Humor ao alto (LI)

/ 44 leituras
Publicado por Augusto Baptista in azul-canário.

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Bragança Fernandes (1948)

O António Costa neste momento está a acender uma vela para que [Rui] Rio ganhe.

Rua da Estrada que não funciona

A RUA da Estrada que não funciona perdeu o asfalto. Regressou à terra. Resta a gravilha, sulcos de terra que o sol irá empoeirar ou lamaçal quando vierem as grandes chuvas. Outros tempos houve em que o bulício não despegava. Para a grande catedral branca rumavam toneladas de grãos de trigo em camiões e do comboio que ali passava iam e vinham outras mercadorias e outra gente que agora deu sumiço. Era a estrada que cruzava a estação, o caminho-de-asfalto e o caminho-de-ferro, esfolado um e desferrado outro. Ficou a estação do tempo salazarento, monumento de arquitectura do Portugal dos Pequen...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 409 leituras
Os Aquários são de vidro?