Renata Silva: finalista do Young Reporters Against Poverty

/ 504 leituras
FOI com uma reportagem sobre a Associação de Tutores e Amigos da Criança Africana (ATACA) que Renata Silva se tornou finalista do concurso internacional Young Reporters Against Poverty (YRAP...

Joana Moura e Castro, 37 anos

/ 578 leituras
O NORTESHOPPING tem uma árvore de Natal. À partida não é uma ideia muito original, pois nesta altura do ano todos os centros comerciais têm uma. A diferença é que a do NorteShopping nem semp...

João Miranda, 46 anos

/ 567 leituras
SEMPRE que o encontra, Cavaco pergunta-lhe se já compra cereja da Cova da Beira. É muito doloroso, mas ele continua a responder que não. “Mas não é por não tentar”, garante João Miranda, 46 ...

Ricardo André, 21 anos

/ 549 leituras
É DE VOOS bem altos que se faz este currículo. Cabe tudo em 21 anos de existência. Ficamos a pensar o que poderá fazer nos próximos 20 e em todos os outros que se seguirão. Acaba de receber ...

Luísa Figueiredo recebe bolsa de 150 mil euros

/ 800 leituras
PARA Luísa Figueiredo esta distinção é a prova de que "podemos fazer ciência em Portugal ao nível de qualquer outro país e que as instituições europeias mostram que acreditam nisso". Ainda r...

Eduardo Teixeira Pinto por Antero de Alda

/ 1123 leituras
EDUARDO Teixeira Pinto é um fotógrafo de um mundo que já quase não existe. Na verdade, estamos a atravessar uma era de (quase) catástrofe. Algo que Barthes definiria como um «punctum», um mo...

Manuel Andrade (1969)

/ 482 leituras
A FALÊNCIA da têxtil onde o pai trabalhava obrigou-o a interromper os estudos de Direito em Coimbra e a regressar a Santo Tirso onde vendeu Unos e Puntos para financiar os cursos de Psicolog...

Alice Ribeiro, 40 anos

/ 515 leituras
ACREDITAM que a “educação é um valor e um direito de todos e a que todos devem ter acesso nas melhores condições”. Este é o pilar que suporta o Serviço de Apoio ao Estudante Deficiente (SAED...

Miguel Araújo destacado pela “Faculty 1000 Biology”

/ 502 leituras
MIGUEL Araújo, titular da Cátedra Rui Nabeiro para a biodiversidade e investigador no do CIBIO (Centro de Investigação e Biodiversidade e Recursos Genéticos), foi destacado pela prestigiada ...

Aniki-Bóbó: o melhor filme português de sempre

/ 1037 leituras
DURANTE muito tempo, quando fazia a mim próprio a pergunta sobre qual seria o melhor filme português de sempre, hesitava na resposta. Podia ser A Canção de Lisboa (1933), extraordinária co...

Noronha Nascimento, 1943

/ 566 leituras
ÚNICO filho varão (tem duas irmãs) do matrimónio entre um advogado de Lisboa e uma Noronha, Luís António Noronha Nascimento nasceu no Hospital de Santa Maria, no Porto, em 1943. Da escola pr...

Ricardo Moreira, 32 anos

/ 486 leituras
FILHO de uma governanta e de um torneiro mecânico, foi futebolista no Castelo da Maia. Impressionado com as histórias da descoberta de potes na citânia de Alvarelhos, ainda encarou tornar-se...

Rui Oliveira, 26 anos

/ 454 leituras
TEM 26 anos, mas já integrou uma das equipas de preparação da Cimeira da NATO, que se realizou a 19 e 20 de Novembro, em Lisboa, tarefa que considerou “muito delicada”. É natural de Fe...

Isabel Marrana, 46 anos

/ 1232 leituras
A PRIMEIRA mulher a sentar-se à mesa do célebre almoço das 4ª feiras na Feitoria Inglesa, é a mais nova dos cinco filhos resultantes do matrimónio entre um sobrinho de Amadeu Sousa Cardozo c...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Jorge Nuno Pinto da Costa (1937)

Nas duas últimas jornadas, voltámos ao passado. Para mim, o VAR só tem sido negativo. Quando não há uniformidade de critérios, tem de ser negativo. É inconcebível tanto o que se passou nas Aves, com um penálti não assinalado que nem precisava de VAR, como aquele fora de jogo assinalado no FC Porto-Benfica. Esse é para o Guinness.

Rua da Estrada não se sabe de quê

TEMOS uma extrema necessidade de dar nomes às coisas. Pensamos, talvez, que as coisas não podem existir se não tiverem nomes ou se, baralhados os nomes, confundidos ou trocados, também se confundissem as coisas acabando por colapsar por crise crónica de identidade, anomia ou anonimato. Como pensamos o mundo com palavras, tudo o que não tiver palavras ou palavra que não tenha mundos, se precipitará infinitamente por abismos abertos entre mundos desconhecidos. Dito isto, pensamos também que uma vez as coisas nomeadas por palavras, se perderiam se não fossemos capazes de classificar famílias d...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 300 leituras
Há relógios à prova de vinho?