Artigos na categoria Letra P

A porta mora à espera De perfil se ensombra E descansa Por Daniel Faria, in Poesia, Explicação da casa, Edições Quasi, 1.ª edição, Novembro de 20...

Depois das queimadas as chuvas Fazem as plantas vir à tona Labaredas vegetais e vulcânicas Verdes como o fogo Por Daniel Faria, in Poesia, Ediçõ...

1. A palavra, como a nossa vida, é inexorável substância de aluvião. Por Francisco Duarte Mangas, in A fome apátrida das aves, Modo de ler, pág...

O pousio corrige as palavras. Por Francisco Duarte Mangas, in A fome apátrida das aves, Modo de ler, página 54.

Cão com asas. Por Paulo Moreira Lopes in Cão Noturno perseguido por Glossário Canino. Ilustração de Rui Sousa.

1. A essa erva outra se seguirá nem que seja a mais daninha das ervas - a poesia Por Jorge Sousa Braga, in O novíssimo testamento e outros po...

Mealheiro colorido de palavras.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009,...

Esta ave quis ser ourives. O brilho do ouro ainda hoje lhe encanta os olhos.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e ...

Nobre que seguia nas caravelas portuguesas e caiu ao mar.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Edit...

Nas águas onde habita só o peixe-espada sobrevive.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Cami...

Cão de tristeza infinda.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial Caminho, Setembro de 2009, página...

Quando chega o Outono esta ave andarilha dos montes prediz a morte.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bi...

Ao contrário da pulga, o piolho preferiu a meditação.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a gralha e outros bichos, Editorial C...

Uma faúlha de sol a esvoaçar na noite   não conheço paixão mais luminosa.   Por Francisco Duarte Mangas, in O noitibó, a g...

Vai no Batalha

PARA nós, importante é que Gaia passou ao verde. Era um velho objetivo. Gaia esteve durante muitos anos em situação de ilegalidade no cumprimento das metas e do endividamento. Gaia respira melhor e está fora das amarras do endividamento excessivo. Está provado que é possível ter uma cidade digna e de boas contas mas que cresça.

Rua da Estrada

61 Leituras
PARA memória futura antes que a tinta desbote, fica registado que este galo é de Barcelos, das terras de Prado onde se fazia muita telha, louça e figu...

Enigmatógrafo

61 Leituras
Seríamos mais felizes com ouro para todos às mãozadas?