Artigos na categoria Devocionário da Terra

133 Leituras
Quando te vejo pela manhã apetece-me ser eterno. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

116 Leituras
Eis uma erva prudente agasalhada temendo que os fios do inverno lhe roubem a fragrância. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata...

188 Leituras
Para esta viçosa planta em parte alguma existe mão amiga. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

195 Leituras
Homem de coração de seiva, sonha ser primavera. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

233 Leituras
Mulher solteira. Nunca achou nabo elegante capaz de a seduzir. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

163 Leituras
Dentes tão brancos, hálito tão desagradável. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

136 Leituras
Que animais ao cair do dia pastam a verde palavra na imensidão do prado? Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

291 Leituras
O coração luminoso do mundo na manhã de outono. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

297 Leituras
Dardo de sol exilado na terra. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

252 Leituras
Filha adotiva do hortelão. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

456 Leituras
O paraíso das joaninhas é, assim, aromático. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

276 Leituras
Nostálgico artefacto, ora é nuvem no solo; ora chora abundantemente quando o levantam e inclinam sua mão para a terra. Texto de Francisco Duarte Man...

314 Leituras
Palavra com grão dentro. Antes quebrar que torcer, é o seu lema. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

288 Leituras
Significa paixão na comunidade falante da língua vegetal. Texto de Francisco Duarte Mangas e ilustração de Renata Carneiro.

Vai no Batalha

TEM acontecido diversas vezes a câmara anunciar que vai exercer o direito de preferência e, de repente, os negócios deixam de se fazer ou fazem-se por preços diferentes e, pelos vistos, a Autoridade Tributária acha normal.

Rua da Estrada

133 Leituras
AINDA era esta uma estrada real de empedrado escasso e incerto, ia eu com Dinis cavalgando lado a lado e ouvindo suas desventuras com certa dama. Dizi...

Enigmatógrafo

133 Leituras
Porquê tic-tac e não zak-zok ou coqueluche-tossetosse, nos relógios?