Antúrio

/ 153 leituras
Por Cristina Ferreira, nasceu em 1963, no Porto, cidade onde reside atualmente. Com formação académica na Área da Saúde, desenvolveu a sua atividade profissional em estabelecimentos públicos...

Azevinho

/ 66 leituras
Por Maria João Gonçalves Horta, nascida em 1949 no Porto. Reformada de uma profissão ligada aos números, contabilidade, agora dedicada entre outras coisas, às artes.

Castanhas

/ 56 leituras
Por Maria Celeste Pereira, natural de Aveiro. Exerceu funções na Segurança Social. Reformada e frequenta a Universidade Sénior do Porto – Agitar.

Maçã

/ 63 leituras
Por Maria Eduarda Carvalho, natural de Esmoriz, nascida em 1941, estudou no Porto e vive em Paranhos. Antes da reforma era professora do 1º ciclo do Ensino Básico. Frequenta a Universidade S...

Uvas

/ 56 leituras
Por Maria Eduarda Carvalho, natural de Esmoriz, nascida em 1941, estudou no Porto e vive em Paranhos. Antes da reforma era professora do 1º ciclo do Ensino Básico. Frequenta a Universidade S...

Girassol

/ 55 leituras

Peixe

/ 51 leituras
Por Olga Bonito natural do Porto. Professora primária reformada. Frequenta a Universidade Sénior do Porto - Agitar.

Borboleta

/ 74 leituras

Cerejas

/ 47 leituras
Por Maria Alice Correia natural do Porto. Exerceu funções na Segurança Social . Reformada e frequenta a Universidade Sénior do Porto - Agitar.

Flores

/ 40 leituras
Por Josita Oliveira, natural de V. N. de Famalicão, nasceu em 1949. Exerceu a profissão de contabilista. Reside no Porto.

Tulipas

/ 38 leituras
Por Ana Luzia, natural do Porto. Professora reformada. Frequenta a Universidade Sénior do Porto – Agitar.

Gata

/ 50 leituras
Por Maria João Gonçalves Horta, nascida em 1949 no Porto. Reformada de uma profissão ligada aos números, contabilidade, agora dedicada entre outras coisas, às artes.

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Bragança Fernandes (1948)

O António Costa neste momento está a acender uma vela para que [Rui] Rio ganhe.

Rua da Estrada que não funciona

A RUA da Estrada que não funciona perdeu o asfalto. Regressou à terra. Resta a gravilha, sulcos de terra que o sol irá empoeirar ou lamaçal quando vierem as grandes chuvas. Outros tempos houve em que o bulício não despegava. Para a grande catedral branca rumavam toneladas de grãos de trigo em camiões e do comboio que ali passava iam e vinham outras mercadorias e outra gente que agora deu sumiço. Era a estrada que cruzava a estação, o caminho-de-asfalto e o caminho-de-ferro, esfolado um e desferrado outro. Ficou a estação do tempo salazarento, monumento de arquitectura do Portugal dos Pequen...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

/ 399 leituras
A superfície de Marte dá para grelhar carapau?