A síndrome de Fitzgerald

TENHO andado a voar com a prosa de Fitzgerald. Gosto da destreza com que o escritor americano articula tão amavelmente os temas da dissipação, do luxo, excelso e venenoso, do excesso e do ri...

Clichés e Profecias

HÁ uma canção de David Sylvian que diz tudo: September. Gosto de poemas curtos, quase sentenças, de pequenas caixas cheias de música, como o som do mar que sai dos búzios. Podia ficar horas ...

O Sul

UM campo de navalhas perfumadas. Tento encontrar a exacta imagem do Verão, a chave do Verão. Releio os poetas, repito as palavras, vacilo, aguardo, espero que a coisa nasça, rebente, naufrag...

Elegia

O FOGO fala simultaneamente todas as línguas. E essa é a tirania. Não há tradução possível. As chamas crescem ao longo do idioma do mundo, modificam-no. De repente, as palavras já não são as...

De passagem pela Corunha

NO mês passado, tive a felicidade de apresentar o meu livro, “Dramas de Companhia”, em Espanha. Recebi o convite de Inma Doval, artista plástica galega, bibliotecária na Faculdade de Educaçã...

Borges e eu

TODOS os turistas parecem um pouco míopes quando estão perdidos. Há, na sua mais sincera desorientação, uma ternura proibida, um nítido apelo de luz sobre o rosto. Gosto de os ver caminhar n...

O céu transfigurado

CONSIDERADA por muitos como uma das mais poderosas representações do céu da História da Arte (dinâmico, profético, tenebroso), o quadro “Vista de Toledo”, de El Greco, continua a ser um enig...

Um círculo perfeito

ALGUNS aproximaram-se demasiado da lucidez. Quando o pensamento ganhou uma estranha autonomia e começou a levar tudo à sua frente, perderam-se. Agora já pouco sabem, ou pretendem saber, a re...

Submundo

QUANDO me aborreço da cidade superficial, corro para a estação de metro mais próxima. Gosto de sentir na pele o que Jean Valjean, o miserável herói de Victor Hugo, sentiu quando desceu aos e...

Imagens do Inverno

CHEGOU o Inverno, ou melhor, chegaram as imagens do Inverno, a superfície gelada de um lago, uma montanha, ao fundo, ostentando uma espécie de candura avassaladora, o vidro de uma janela fus...

Cidade felina

VOLTEI a Eugénio, recentemente. Não sei porquê. Ou melhor, até sei. Gosto de gatos, e os poemas do Eugénio – até pela forma como ele os dizia – lembram-me esses animais voluptuosos por fora ...

Variações sobre Novembro

A EXUBERANTE prosa de Onetti entra por este mês dentro sem qualquer pudor ou atrito, os santos prepararam um sonífero para as nuvens que já embaraçam o céu, o frio não chega a ser feroz, mas...

O amor e um edifício

ESTOU a amar um edifício. É o edifício com mais requinte e carácter que a cidade tem. Fica na Rua dos Bragas, uma rua demasiado severa e estreita. Além disso, aquela é uma rua triste, tão tr...

Uma obscura lucidez no rosto

À MEDIDA que o Verão se apaga, o Porto recupera uma obscura lucidez no rosto. De resto, já não tenho grandes expectativas em relação à rentrée. Sou um leitor caprichoso, intransigente, e per...

Tabuleta Digital

Vai no Batalha

Manuel Pizarro (1964)

ESTAMOS perante uma situação em que, do nosso ponto de vista, existem condições legais para que a Câmara possa ajudar a preservar este estabelecimento comercial. A classificação como Loja de Tradição garantiria, por si só, a proteção deste estabelecimento, mas vamos inquirir junto da autarquia sobre se a câmara foi consultada para o eventual exercício do Direito de Pr...

Rua da Mão do Homem

JÁ começa a ser muito difícil encontrar um lugar no planeta que não tenha sido revolvido ou transformado pela mão do homem. Por via disso, chamam Antropoceno a esta nova era geológica onde, desde a camada do ozono até às profundezas do oceano, a marca dos humanos está tão claramente inscrita no planeta quanto os movimentos da crusta, a deriva dos continentes, as crises de vulcanismo ou a colisão com asteroides e tangências na cauda dos cometas. Por isso também existem topónimos a lembrar estas facécias extraordinárias. Os humanos não têm descanso. Sempre a mexer, a construir, a escavar. Sem...

Enigmatógrafo

Enigmatógrafo de Augusto Baptista

A roda dentada tem incisivos?

Errata

Na manchete da revisão Visão de 18-10-2017, onde se lê “Desesperadamente SÓS” deve ler-se “Desesperadamente SOS”, por PML