603
0
COMPARTILHAR
Inicio Abaixo-assinado Moradores rec...

Moradores reclamam saneamento em rua de S. Romão

Moradores reclamam saneamento em rua de S. Romão

0
603

OS MORADORES da Rua Camilo Castelo Branco, em S. Romão do Coronado, estão revoltados pelo facto de a sua rua – com oito casas e três terrenos – ficar de fora do projeto de saneamento. “Indignados”. Este é o estado de espírito dos moradores da Rua/Praceta Camilo Castelo Branco, em S. Romão do Coronado, devido à “não inclusão desta rua no projeto de saneamento que está a ser executado”, na rua perpendicular, a Rua das Carvoeiras.

A 24 de agosto, os 17 moradores subscreveram um abaixo-assinado, que foi enviado ao presidente da Câmara Municipal da Trofa, Sérgio Humberto, a solicitar “informação/esclarecimento sobre a não abrangência desta rua no projeto de saneamento”.

“Estamos, como devem compreender, indignados com esta situação, porque achamos que todos nós pagamos os nossos impostos e por isso deveremos ter, além desta obrigação, os mesmos direitos que todos os outros cidadãos desta freguesia, como água e saneamento”, podia ler-se no documento, onde referiram que esta “não inclusão” seria “um lapso” e que “aguardam a devida retificação”.

Conceição Tedim, Isaura Gonçalves, Glória Reis e Manuela Silva são algumas das moradoras descontentes com esta situação, uma vez que “não sabem o porquê” de o saneamento não ser instalado na sua rua. “Não sei o porquê de ficarmos excluídos do saneamento. Temos várias vivendas e estamos numa baixa, vemo-nos desesperadas no inverno com as fossas cheias. Acho que não faz sentido o projeto que fizeram”, referiu Conceição Tedim.

Já Manuela Silva declarou que a resposta da Câmara Municipal da Trofa foi que tinham “pegado no projeto que já estava do tempo de Santo Tirso e não confirmaram as casas e as ruas que haviam”. “Como é que passa um projeto de uma câmara para outra e não se confirma nada? Isso é uma irresponsabilidade. Já no tempo de Santo Tirso existia casas aqui”, referiu, acrescentando que o autarca “Sérgio (Humberto) disse que o projeto não tinha nada a ver com a Câmara da Trofa, porque já vinha da Câmara de Santo Tirso e a Águas do Norte pegaram assim”.

Manuela Silva asseverou ainda que “era a Câmara da Trofa que deveria ter verificado e passado o projeto em condições para a Águas do Norte”. “Não faz sentido eles andarem na rua ali em cima e não virem a esta rua. Disseram que vão analisar e que, se calhar, vão fazê-lo em 2016. Então se estão a passar agora e não fazem, que têm a oportunidade, acha que depois vão passar e vão pôr aqui? Claro que não. Isso é atirar areia para os olhos”, terminou.

Saneamento em 2016

O NT solicitou à autarquia, por escrito, um pedido de esclarecimento sobre esta situação, mas, tal como tem acontecido, não obteve qualquer esclarecimento. Já na Assembleia Municipal, a 24 de setembro, Sérgio Humberto, declarou que tentou “sensibilizar esta administração da Águas do Norte, mostrando o abaixo-assinado, a preocupação e as plantas, para ser incluída, se possível, ainda nesta empreitada”. O autarca declarou ainda que “a realização dessas obras necessárias para essa rua” ficará num “próximo plano de investimentos, o mais urgente possível”, tendo a Águas do Norte “garantido que seria já em 2016”.

O NT também solicitou um esclarecimento à Águas do Norte, mas até ao fecho de edição não recebeu qualquer resposta.

Por Patrícia Pereira publicado in Notícias da Trofa

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here