1112
0
COMPARTILHAR
Inicio Abaixo-assinado Apelos à não ...

Apelos à não demolição da Ponte da Peça Má

Apelos à não demolição da Ponte da Peça Má

0
1112

NO PERÍODO de intervenção do público da sessão extraordinária da Assembleia Municipal da Trofa, na segunda-feira, 28 de dezembro, muitas foram as vozes em defesa da Ponte da Peça Má. O assunto foi levado ao debate por Eurico Ferreira, que até apresentou uma alternativa para aumentar a segurança rodoviária. A Ponte da Peça Má, na Estrada Nacional 14 já em território da freguesia do Muro, voltou a ser motivo de debate na Assembleia Municipal da Trofa. O trofense Eurico Ferreira levou o assunto à sessão, mostrando preocupação pela possível demolição da estrutura. “Toda a gente lamenta termos perdido a Ponte Pênsil e vamos agora autorizar que se faça a mesma coisa?”, questionou, defendendo que a Ponte da Peça Má “é uma obra de arquitetura” que “não tem uma fissura nem uma pedra deslocada”, mas sim “agressões” provocadas por camiões de grandes dimensões e que a torna perigosa. Mas, para isso, há solução, defendeu Eurico Ferreira: “Se enquadrarmos a estrada com a ponte, liberta-se um metro e espaço e altura para se fazerem duas faixas de rodagem com três metros e meio e dá para fazer um passeio de cada lado”.

O trofense sustenta-se num “estudo” que pediu a um “técnico”, que garante que “a intervenção garante largura suficiente para que os camiões entrem a 90 graus relativamente à ponte”. “E sobre os custos da obra, será pouco mais de metade do que custa demolir a ponte e não será necessário cortar o trânsito, desde que a obra seja feita por fases”, sustentou.

Também Manuel Silva interveio em defesa da Ponte, afirmando que esta “foi uma das últimas de alvenaria a ser construída” e que é inegável o “valor imaterial, patrimonial e histórico” que detém.

Adelino Maia, presidente da Junta de Freguesia de Alvarelhos e Guidões considerou que “importante é que a ponte esteja em condições” e que será “genial garantir a segurança e preservar a história”.

Já Carlos Martins, presidente da Junta de Freguesia do Muro, apelou a que “antes de se tomar qualquer decisão, se coloque sinalização, porque a passagem sobre a ponte é um dos pontos mais perigosos do concelho”. O autarca sugeriu ainda “a criação de uma comissão, na qual o senhor Eurico Ferreira faça parte” para estudar as alternativas à demolição da Ponte.

Sérgio Humberto, presidente da Câmara Municipal da Trofa, afirmou que “não há novidades” sobre o assunto “desde há um ano e meio”, altura em que a empresa Metro do Porto “notificou, mais uma vez, a autarquia”. “A Metro do Porto mostrou intenção de querer demolir ou de tentar perceber se o município ficava com a responsabilidade pela sua manutenção”, referiu.

Apesar de “haver um documento na autarquia que refere que, do ponto de vista patrimonial, a ponte não tem essa mais-valia”, o autarca assegurou que “a decisão” sobre o que fazer com a estrutura “não vai ser do executivo municipal”, abrindo a porta à possibilidade de “haver um referendo ou de criar a comissão”.

Ainda no período de intervenção do público, Manuel Silva questionou o executivo sobre a razão pela qual os semáforos de Bairros não estarem ligados. Sérgio Humberto respondeu que “quase todos os semáforos do concelho estão caducos” e que “já foi elaborado um estudo” para colocar nova sinalização luminosa e “fazer a manutenção e substituir as lâmpadas por outras LED”.

Eurico Ferreira aproveitou a ocasião para agradecer ao vereador da Cultura, Renato Pinto Ribeiro, a escolha do local para implantar a serra de fita com corpo de cimento, máquina criada na Trofa e cujo um exemplar foi recuperado pelo trofense para enriquecer o património histórico do concelho. A máquina vai ser colocada, caso seja aprovado pelo condomínio, na Praceta Monge Pedro, em S. Martinho de Bougado.

Por Cátia Veloso publicado in Notícias da Trofa

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here